www.fcv.org.br

Artigos

OncoRede: ANS seleciona 42 projetos para qualificar atenção ao câncer

Iniciativas visam implantar um novo modelo de cuidado em oncologia que beneficiará pacientes de planos de saúde e poderá ser replicado

13/01/2017 - 07h26m

Versão para impressão
Enviar por e-mail

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) selecionou os projetos que farão parte do OncoRede, iniciativa que propõe a construção de um novo modelo de organização e cuidado aos pacientes com câncer e a Fundação Cristiano Varella foi selecionada com um projeto.

A reguladora recebeu 42 propostas de adesão de operadoras de planos de saúde e prestadores de serviços - hospitais, clínicas e laboratórios. Em fevereiro, essas instituições começarão a desenvolver os projetos, com acompanhamento e monitoria da ANS. Os resultados serão mensurados, e os modelos que se mostrarem viáveis poderão ser replicados para o conjunto do setor suplementar de saúde, de forma a estimular mudanças sustentáveis.

O OncoRede estabelece um conjunto de ações integradas para qualificar o cuidado oncológico. As medidas visam estimular a adoção de boas práticas na atenção ambulatorial e hospitalar e promover melhorias nos indicadores de qualidade da atenção ao câncer, além de possibilitar um diagnóstico mais preciso da assistência. Entre as medidas previstas estão a centralização do cuidado no paciente, a adoção de laudo integrado de exames, a introdução do assistente do cuidado, responsável por conduzir o paciente ao longo do percurso assistencial e a busca ativa no momento do envio do resultado de exames.

"O grande número de adesões e a qualidade dos projetos apresentados demonstra a urgência e a necessidade de implementação de experiências baseadas em modelos mais integrativos de cuidado na atenção oncológica", avalia a diretora de Desenvolvimento Setorial da ANS, Martha Oliveira. "A fragmentação da trajetória de cuidado do paciente em diferentes prestadores de serviços de saúde que não se comunicam, a falta de continuidade do fluxo do paciente na rede assistencial e a ausência de coordenação do cuidado prestado nos diferentes níveis de complexidade da rede são problemas que afetam diretamente a efetividade da atenção aos pacientes com câncer no Brasil. O projeto OncoRede visa reorganizar a assistência e corrigir essas falhas, facilitado o tratamento e melhorando os resultados", explica a diretora.

Pilares do novo modelo de atenção

o   Centralização do cuidado no paciente, invertendo a lógica do sistema hoje centrado no volume de utilização de tecnologias;

o   Informação correta, completa e em linguagem acessível para os pacientes e registro de saúde que facilite a continuidade do cuidado, possibilitando o compartilhamento da informação por todos os profissionais que realizam o cuidado e com o próprio paciente;

o   Screening e diagnóstico precoce, porém pautados pela qualidade e em protocolos efetivos;

o   Laudo integrado de exames para um melhor direcionamento no momento do diagnóstico que facilite e torne mais efetivo o tratamento;

o   Busca ativa no momento do envio do resultado de exames e garantia de que o resultado dos exames críticos chegue ao paciente e a seu médico solicitante;

o   Estabelecimento de times multiprofissionais e de grupos de decisão para a melhor definição de linhas de cuidado e uniformização de decisões;

o   Articulação da rede de estabelecimentos que irão, em algum momento, cuidar do paciente, tanto do ponto de vista de organização dos encaminhamentos quanto das informações e da continuidade da linha de cuidado;

o   Assistente do cuidado, responsável por conduzir o paciente ao longo de todo o percurso assistencial, facilitando e monitorando todos os possíveis pontos de dificuldade;

o   Monitoramento dos resultados através de indicadores que possam demonstrar não só o desempenho do cuidado, mas também retratem possíveis melhorias no caminho assistencial;

o   Indução e estabelecimentos de estruturas de cuidado paliativo e tratamento de suporte, além do debate sobre morte e humanização no fim de vida;

o   Modelos diferenciados de remuneração que possam dar suporte à nova lógica de cuidado;

o   Capacitação e treinamento de profissionais da área da saúde;

o   Debate sobre o Registro de Tumor na Saúde suplementar, visando um melhor planejamento e monitoramento das políticas nessa área.

 

Confira as instituições que tiveram projetos selecionados:

Operadoras

Bradesco Saúde

Cemig Saúde 

Central Nacional Unimed

Fundação Fiat Saúde e Bem Estar

Fundação AFFEMG de Assistência à Saúde

Geap Autogestão em Saúde

Nossa Saúde

São Francisco Saúde 

Sobam – Centro Médico Hospitalar

Sulamérica 

Unimed Belém 

Unimed BH 

Unimed Campo Grande

Unimed Goiânia

Unimed Porto Alegre

Unimed Recife

Unimed São Sebastião do Paraíso

Unimed Teresina 

Prestadores

AC Camargo Câncer Center

Centro de Combate ao Câncer (São Paulo/SP)

Cettro – Centro de Câncer de Brasília

Clínica da Mama (Rio de Janeiro/RJ)

Centro Paulista de Oncologia (São Paulo/SP)

Grupo COI (Rio de Janeiro/RJ)

Hemomed Instituto de Oncologia e Hemetologia (São Paulo/SP)

Hospital Israelita Albert Einstein (São Paulo/SP)

Hospital do Câncer de Muriaé (Muriaé/MG)

Hospital Erasto Gaertner (Curitiba/PR)

Hospital Ernesto Dornelles (Porto Alegre/RS)

Hospital Fundação do Câncer (Rio de Janeiro/RJ)

Hospital Lifecenter (Belo Horizonte/MG)

Hospital Santa Paula (São Paulo/SP)

Hospital Unimed Natal (Natal/RN)

Instituto de Oncologia do Paraná – IOP (Curitiba/PR)

Laboratório de Patologia HE (Rio de Janeiro/RJ)

Núcleo de Oncologia da Bahia (Salvador/BA)

Oncocentro Oncologia Clínica e Medicina Interna de Minas Gerais (Belo Horizonte/MG)

Oncoclínica Copacabana – Oncoclínicas (Rio de Janeiro/RJ)

Oncologia DOR (Rio de Janeiro/RJ)

Oncológica Norte de Minas (Montes Claros/MG)

Pró Care Serviços de Saúde LTDA (Rio de Janeiro/RJ)

Santa Casa de Misericórdia de Maceió (Maceió/AL)

 Fonte: ANS