www.fcv.org.br

Artigos

Imprensa

24/03/2017 - 07h09m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
A data foi criada em 1982 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em homenagem aos 100 anos do anúncio do descobrimento do bacilo causador da tuberculose, ocorrida em 24 de março de 1882, pelo médico Robert Koch. 

Segundo estimativas da OMS, um terço da população mundial está infectada pelo Mycobacterium tuberculosis  e em risco de desenvolver a doença. Há cerca de 8,8 milhões de doentes e 1,1 milhões de mortes por ano no mundo.

O Brasil ocupa o 17º lugar entre os 22 países responsáveis por 82% do total de casos de tuberculose no mundo. Embora seja uma doença passível de ser prevenida, tratada e mesmo curada, ainda mata cerca de 4,7 mil pessoas todos os anos no Brasil.

Cada paciente com tuberculose pulmonar que não se trata, pode infectar em média 10 a 15 pessoas por ano. Alguns fatores contribuem para a disseminação da doença, tais como a pobreza e má distribuição de renda, a AIDS, a desnutrição, as más condições sanitárias e a alta densidade populacional. 

Sinais e sintomas
A tuberculose é uma doença infectocontagiosa que afeta principalmente os pulmões, mas também pode acometer órgãos como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro).

Pessoas com AIDS, diabetes, insuficiência renal crônica, desnutridas, idosos doentes, alcoólatras, dependentes de drogas e fumantes são mais propensos a contrair a tuberculose.

De acordo com o Ministério da Saúde, os sinais e sintomas mais frequentes são:
- Tosse seca ou com secreção por mais de três semanas, podendo evoluir para tosse com pus ou sangue;
- Cansaço excessivo e prostração;
- Febre baixa geralmente no período da tarde; 
- Suor noturno;
- Falta de apetite;
- Emagrecimento acentuado;
- Rouquidão.

Alguns pacientes, entretanto, não exibem nenhum indício da doença, enquanto outros apresentam sintomas aparentemente simples, que não são percebidos durante alguns meses. Pode ser confundida com uma gripe, por exemplo, e evoluir durante 3 a 4 meses sem que a pessoa infectada saiba, ao mesmo tempo em que transmite a doença para outras pessoas.

A transmissão da tuberculose é direta, de pessoa a pessoa. O doente expele, ao falar, espirrar ou tossir, pequenas gotículas de saliva que podem ser aspiradas por outro indivíduo. 

Prevenção e tratamento
A vacina BCG é obrigatória para menores de um ano, pois protege as crianças contra as formas mais graves da doença. A melhor forma de prevenir a transmissão da doença é fazer o diagnóstico precoce e iniciar o tratamento adequado o mais rápido possível. Com 15 dias após iniciado o tratamento, a pessoa já não transmite mais a doença. O tratamento deve ser feito por um período mínimo de 6 meses, diariamente e sem nenhuma interrupção. O tratamento só termina quando o médico confirmar a cura total do paciente.

FONTE: https://ams.petrobras.com.br/portal/ams/beneficiario/24-de-marco-dia-mundial-de-combate-a-tuberculose.htm






22/03/2017 - 09h29m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
A água é a fonte da vida. Seja no nível das espécies ou no do indivíduo, a vida começa na água. Ao nascermos, 80% do nosso corpo é constituído de água e no cérebro essa proporção pode chegar a 90%! Num certo sentido, o envelhecimento parece ser um processo de "secagem" do organismo porque ao morrermos com idade avançada só 40% dele é água. A água faz mais falta ao organismo que o alimento. Um indivíduo pode sobreviver sem comer por um tempo muito maior do que sem beber água.

Funções orgânicas da água
No organismo, a água é solvente para várias substâncias, principalmente para os sais minerais. Por isso, é mais apropriado falar-se em equilíbrio hidroeletrolítico que simplesmente em equilíbrio hídrico, já que as alterações nas porcentagens da água são correlativas às alterações das concentrações minerais. A circulação, a digestão, a absorção e a excreção de várias substâncias são reguladas pela água. Em constante movimento de absorção e eliminação, ela hidrata, lubrifica estruturas orgânicas, regula a temperatura corporal, faz o transporte de nutrientes, elimina toxinas e repõe energias. Como a água é essencial à vida, quase todas as enfermidades se beneficiam de uma boa hidratação e sofrem os efeitos malévolos de uma hidratação deficiente.

As funções terapêuticas da água
Descontadas as crenças místicas sem bases científicas no poder da "cura pelas águas", a água é um grande remédio. Antes do advento da síntese em grande escala das medicações, era comum o médico aconselhar a certos pacientes que passassem uma temporada numa "estação de águas", como recurso terapêutico para muitas enfermidades. Na verdade, as fontes de água desses locais continham em solução sais minerais que atuavam favoravelmente em determinadas situações mórbidas. Ainda hoje em dia as soluções de sais minerais em água, os soros fisiológicos, são as medicações mais prescritas nos hospitais. Além disso, os balneários com seus banhos coletivos são uma prática que vem desde os romanos e que, de certa forma, está substituída ainda hoje pelas piscinas, banheiras e ofurôs. De fato, o banho tem várias aplicações terapêuticas e além de criar um estado de ânimo agradável ajuda a regular a temperatura corporal e tem um efeito relaxante muscular. Nos cálculos renais a água ajuda a diurese e facilita a eliminação deles; nas afecções inflamatórias broncopulmonares a água fluidifica o catarro e ajuda a expectoração; em muitas intoxicações a água acelera o processo de eliminação do tóxico. A imersão na água, usada na hidroterapia e na hidroginástica diminui o peso dos segmentos corporais e os atritos articulares dos exercícios, além de melhorar o equilíbrio. Tem-se ainda de considerar o fascínio exercido pela natação, sobretudo nas crianças. Subsidiariamente, a água contribui com a higiene corporal, tão importante para a manutenção da saúde.

Absorção e eliminação da água
O balanço hidroeletrolítico depende da captação e excreção de água e sais minerais. Toda água contida no organismo vem de fora e tem de ser ingerida ou administrada por via venosa. A água ingerida é fácil e quase totalmente absorvida e comendo qualquer alimento, principalmente frutas, chás, sucos, refrigerantes e sopas, o indivíduo está também ingerindo água, contida neles em grandes quantidades. Os principais eliminadores de água são os rins, através da urina, a pele através do suor e os pulmões, através da respiração. A saliva e as lágrimas também atuam nesse processo. As crianças, sobretudo as recém-nascidas, são mais sensíveis à desidratação, em virtude de terem um menor peso corporal e de terem uma maior percentagem de água em seu organismo. Pessoas idosas também são mais susceptíveis à desidratação porque têm menos sensibilidade à sede e retêm menos água que os jovens.

Causas e consequências da falta ou do excesso de água no organismo
Chama-se desidratação à situação em que o organismo retém uma quantidade de água menor do que seria normal. Ela pode ser classificada como leve, moderada ou grave. As causas mais comuns da desidratação são a privação ou as perdas excessivas de água, como acontece se o indivíduo urina em excesso, no diabetes não controlado; nos indivíduos que tomam diuréticos inadequadamente; nas diarreias ou vômitos abundantes; nas grandes queimaduras e no excesso de suor quando o indivíduo é submetido a altas temperaturas ambientais ou a surtos febris intensos.
O excesso de água no organismo é chamado de intoxicação pela água ou hiper-hidratação. A hiper-hidratação ocorre quando a ingestão de água é maior que a sua eliminação, o que geralmente acontece por uma eliminação deficiente, uma vez que a quantidade de água que um indivíduo normal bebe por dia dificilmente excede a sua capacidade de excreção. Este excesso de água no organismo provoca uma diluição excessiva do sódio e de outras substâncias presentes na corrente sanguínea. Esse déficit de eliminação de água e sais minerais em geral se deve a uma queda de filtração renal e da fabricação da urina, como acontece nas doenças renais, cardíacas ou hepáticas. O órgão que primeiro sofre os efeitos da hiper-hidratação é o cérebro e se ela se instala repentinamente o paciente pode manifestar confusão mental, convulsões e coma.

Como tratar a desidratação e a hiper-hidratação?
A desidratação leve pode ser corrigida por uma medida simples: beber mais água ou, em crianças muito pequenas, mais leite materno. Beber água regularmente, mesmo sem sentir sede, é um hábito saudável. Afinal, a sede só se sente quando a água já está faltando! Mas por vezes, em casos mais graves, a água e os sais minerais têm de ser infundidos sob a forma de soro, por via endovenosa, geralmente em unidades de saúde. Se a desidratação for apenas moderada esse soro pode ser fabricado e administrado oralmente, em casa.
Embora o tratamento da hiper-hidratação dependa em parte da sua causa, em geral deve-se restringir o consumo de líquidos. Os médicos costumam prescrever diuréticos, mas eles são mais úteis no tratamento do excesso de volume sanguíneo circulante que na hiper-hidratação propriamente. Na hiper-hidratação a água em excesso se acumula no interior das células e não produz acúmulo de líquido, sendo pouco atingida pelos diuréticos.

Quais são os principais sinais e sintomas da falta ou do excesso de água no organismo?
Uma pessoa desidratada mostrará baixa pressão sanguínea, aumento da frequência cardíaca, pele pegajosa, urina muito concentrada, mucosas ressecadas, olhos afundados e ressequidos em virtude da diminuição das lágrimas, diminuição da sudorese e, nos bebês, a moleira afundada. Outros sintomas podem ser dores de cabeça, sonolência, tonturas, fraqueza, cansaço, confusão mental e choque e, por fim, perda de consciência, convulsões, coma e morte. Mesmo uma desidratação imperceptível pode gerar problemas de cólicas, flatulência, gases, prisão de ventre e outros sintomas.
Os sintomas da hiper-hidratação podem ser confundidos com os sintomas da desidratação e são letargia, confusão, agitação e convulsões.

O que mostra o laboratório?
Na desidratação, os exames de laboratório mostrarão níveis sanguíneos de sódio, potássio e bicarbonato aumentados, elevação da densidade urinária específica, do nitrogênio ureico sanguíneo e da creatinina. O hemograma mostrará sinais de concentração do sangue. Se houver suspeita de diabetes, deve-se proceder a dosagem de glicose (glicemia). Na hiper-hidratação, ao contrário, ocorrerá uma diluição de todos esses elementos.

FONTE: http://www.abc.med.br

Veja outros assuntos sobre o Dia Mundial da Água em: ONG analisa 240 pontos de rios da Mata Atlântica e apenas 2,5% têm água com boa qualidade






21/03/2017 - 09h37m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
No sábado, dia 18 de março,  nosso Diretor Administrativo, Sérgio Henriques, acompanhado do Ex Deputado Federal, Sr. Lael Varella, realizaram uma visita ao Memorial da Fundação Cristiano Varella após o lançamento regional do IV Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável realizado no UNIFAMINAS, com o Presidente da Frente Nacional dos Prefeitos, Márcio Lacerda, com o Ex Secretário de Governo da Prefeitura de Belo Horizonte, Vitor Valverde e com Toninho Andrada, Presidente da Associação Mineira de Municípios.

Os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer toda a estrutura do Memorial, bem como o mausoléu, auditório, pinacoteca e o túnel, onde estão expostas as estátuas de cera do Patrono da Fundação Cristiano Varella e de seu pai, Lael Varella.






10/03/2017 - 07h42m - Atualizado em 10/03/2017 - 08h42m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
No dia 09 de março de 2017, a Casa de Apoio da Fundação Cristiano Varella, recebeu 2 toneladas de doações da famosa Calourosa do UNIFAMINAS. A iniciativa de fazer com que os calouros sejam recepcionados de uma forma especial abriu espaço para que o UNIFAMINAS incluísse no calendário acadêmico o evento da Calourosa.

Na edição de 2017 os calouros mobilizaram as turmas em diversas atividades, sendo uma delas a arrecadação de produtos para doação à Casa de Apoio da Fundação Cristiano Varella onde foram arrecadados em média 2 toneladas de doações entre produtos de limpeza, alimentos, produtos de higiene e fraldas geriátricas. Os produtos arrecadados foram selecionados após triagem das maiores demandas da Casa de Apoio.

Na oportunidade da entrega as alunas Isabella Magalhães e Maria Laura Martins, calouras do curso de Odontologia, acompanharam a equipe do UNIFAMINAS, composta pelo Pró-reitor administrativo Eduardo Goulart, pela Diretora de Institutos Roberta Gouvêa, o Coordenador da Extensão Nilton Freitas, entre outros colaboradores da instituição.

O UNIFAMINAS incentiva movimentações sociais, e aproveita a oportunidade para parabenizar o curso de Odontologia pelo primeiro lugar na gincana Calourosa 2017 e deseja que esse tipo de ação se multiplique em prol do bem social da comunidade. 

E nós, do Hospital do Câncer de Muriaé e Casa de Apoio da Fundação Cristiano Varella, agradecemos o UNIFAMINAS, a todos os calouros e população contribuinte, por se dedicarem em ajudar nossa instituição, que realmente é dependente de doações. Desta forma, percebemos que a missão de Combater o Câncer Valorizando a Vida, não é só nossa, mas de todos que contribuem para a continuidade do serviço.







09/03/2017 - 10h54m - Atualizado em 09/03/2017 - 10h58m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Foi realizado durante os dias 02 e 03 de março, no auditório do Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella, o 36° Seminário de Avaliação dos Indicadores paralelamente à Prestação de Contas anual para a Diretoria Estatutária e o Conselho Fiscal, onde a Administração e todos os demais setores da instituição puderam apresentar os números e os resultados de seus processos relativos ao exercício de 2016. 

O Seminário de Avaliação dos Indicadores é uma prática adotada pela Gestão da Qualidade desde 2005. É o momento onde todas as equipes de trabalho da instituição têm a oportunidade de demonstrar seus resultados e conhecer também os resultados de outras equipes.

Em todas as edições, o seminário vai além das expectativas, pois ele integra todas as áreas da instituição, representa uma ocasião para análise crítica, para levantamento de oportunidades de melhoria e reconhecimento de melhorias já conquistadas, é um momento de agradecimentos e apoio aos parceiros. Significa uma troca imensa de conhecimentos, um aprendizado constante de novas maneiras de fazer o melhor para aprimorar os processos e atender com qualidade e segurança nossos pacientes. 







08/03/2017 - 16h34m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
O Dia Internacional da Mulher foi marcado por duas ações voluntárias no Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella. 
Os voluntários do Projeto Wecancer, Pedro Souza e César Filho, convidaram a cantora Bruna Morena, e realizaram na recepção de quimioterapia um "show" para os pacientes que aguardavam atendimento, além disso, distribuíram lindas mensagens a todas as mulheres. 
O Coral da Fundação Cristiano Varella, logo pela manhã, percorreu as recepções cantando e encantando! E na recepção de radioterapia foi realizado um café especial com uma bela doação de panetones.
Agradecemos a todos que direta ou indiretamente contribuíram para que o Dia Internacional da Mulher para nossas guerreiras fosse especial!






Campanha Zero Adornos – 100% saúde dos colaboradores

Menos é Mais, quando Mais é Demais!

24/02/2017 - 16h01m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Pensando na prevenção a acidentes e riscos de contaminação entre os colaboradores da saúde, nos dias 23 e 24 de fevereiro, o Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella, lançou uma campanha de sensibilização entre seus colaboradores quanto à proibição do uso de adornos por parte dos profissionais da saúde expostos ao risco de contato com agentes biológicos.
A campanha apresentou a personagem Elke Maravilha, lembrada pelo exagero de pulseiras, brincos e colares, a fim de chamar a atenção dos profissionais, e de forma bem-humorada, ressaltar o uso indevido dos chamados "adornos" a fim de motivar a adesão total da categoria. 
A norma de proibição, que entra em vigor no Hospital a partir do dia 1º de março de 2017, não é novidade, desde 2005 foi aprovada a NR 32 pela Portaria nº 485, de 11/11/2005 no seu item 32.2.4.5, letra b, que proíbe o uso de adornos, entre outras coisas.
E o que é considerado adorno segundo a norma regulamentadora?
São considerados adornos: alianças, anéis, pulseiras, relógios de pulso, colares, brincos, broches, piercings expostos, gravatas e crachás pendurados com cordão.
Itens como o relógio para os profissionais de enfermagem muitas vezes é necessário, assim como o óculos para aqueles que possuem alguma deficiência visual, os esclarecimentos quanto a esses itens são esclarecidos pela Nota Técnica nº. 157/2010/CGNOR/DSST/SIT.
Diversos setores do Hospital do Câncer de Muriaé foram envolvidos para melhor disseminação da normativa e conscientização dos colaboradores, de que esta, é uma ação de prevenção à saúde do próprio profissional, que além do possível contagio, ainda pode levar para casa e disseminar entre seus familiares, micro-organismos que deveriam ficar restritos ao ambiente hospitalar. 







24/02/2017 - 09h40m - Atualizado em 24/02/2017 - 10h50m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Na tarde desta quinta-feira, 23 de fevereiro, na área de convivência da Unidade de Internação Clinica do Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella aconteceu a primeira atividade do ano de 2017 do Projeto Despertando Sorrisos "Porque viver sem sorrir não tem a menor graça".

Idealizado pela Enfermeira Juliana Campos Cândido, como plano de ação da sua avaliação de desempenho e apoiado pela Coordenadora da unidade, Luciana de Freitas Souza, contando com o envolvimento e participação de um grupo de colaboradores de vários setores da instituição e voluntários, o projeto veio com o objetivo de levar um pouco mais de alegria e distração para o dia a dia dos pacientes e acompanhantes que permanecem na unidade , contribuindo para um  maior envolvimento e integração de toda equipe oferecendo um cuidado diferenciado.

O desafio da equipe era criar um ambiente mais leve, alegre e descontraído para os pacientes, familiares e profissionais. E em ritmo de carnaval, a fisioterapeuta Terlânia Andrade, realizou algumas atividades físicas em grupo. E a cada exercício realizado, o coral composto por três enfermeiras e um auxiliar administrativo animou o momento cantando marchinhas de carnaval.

O Projeto, que acontecerá uma vez por mês, contribui com um ambiente mais agradável para os pacientes, acompanhantes e profissionais, estimulando a auto estima, levando humanização, amor, alegria e reforçando a importância dos cuidados paliativos.